quarta-feira, 28 de maio de 2014

Amargo vinho da saudade - Nilton Nascimento


Bebo do cálice da distância,
O forte amargo vinho da saudade...
É odioso, exala sua fragrância,
Um cheiro de tristeza e ansiedade.
Se vende fácil, com abundancia,
Nas adegas da infelicidade...
Apesar da quase intolerância,
Bebo este vinho cheio de caridade.
Piedoso um vinho intragável?!
A sua constante embriaguez é tão amável,
Que pra me esconder da louca solidão
Me faz saltar para minha recordação...
E nesse refúgio de minha mente,
Estas tu, esperando, sempre presente.

Amargo vinho da saudade - Nilton Nascimento