sexta-feira, 4 de abril de 2014

Vinho... Tália


Aqueço-te na minha mão
Sinto a tua alma…
Entrego-te a meus lábios
Envolves-te na minha boca
E logo despertas
Os mais generosos dos sentidos
A memória, o amargo, o doce,
A textura… o aroma…
Deixo-te escorregar
Pela minha garganta…
Apoderastes de mim
Deixando-me entregue
Às sensações que provocas…
Agora… sente-se…
O devaneio, a ilusão, o amor
A paixão… as palavras…
Deixo-te correr
Ao lado das minhas veias
E aí sim…
Faz-se poesia…

Tália
Portugal