sábado, 1 de março de 2014

Assim como os vinhos, as cervejas também proporcionam excelentes harmonizações


Todos sabemos que os vinhos harmonizam muito bem com os alimentos, mas a cerveja também proporciona uma excelente combinação com inúmeros ingredientes e receitas culinárias. Como a carbonatação, que limpa e ativa as papilas gustativas, acentuando os sabores das preparações, há também o lúpulo, que por seu amargor torna-se um estimulante do apetite, além de reduzir a gordura que fica na boca.
Para aproveitarmos ao máximo a harmonização, devemos identificar os ingredientes presentes na receita e as características base da cerveja, equilibrando os elementos.
Tipos de harmonização:
Por corte: quando os elementos da cerveja, como a carbonatação e o amargor, "quebram" a gordura presente no prato, limpando o paladar para a nova garfada;
Por contraste: quando as diferentes características entre o prato e a cerveja acabam por valorizar a ambos;
Por semelhança: quando o prato e a cerveja possuem elementos sensoriais que se assemelham e agregam sensações aos dois, ressaltando suas qualidades.
A dica básica é: cervejas leves acompanham comidas leves, enquanto cervejas mais fortes, intensas e encorpadas harmonizam melhor com comidas mais pesadas e gordurosas.
Pense em Ales como Vinho Tinto e Lagers como Vinho Branco. Como as Ales são fermentadas em temperaturas mais altas, têm aromas e sabores mais complexos. Lagers, por serem fermentadas em temperaturas mais baixas,  têm aromas e sabores mais suaves. Outro comparativo válido é pensar em cervejas de alto amargor como se fossem vinhos bem ácidos ou com bastante tanino.
Quanto mais escura a cerveja, mais escura deve ser a comida da harmonização. Cervejas escuras recebem essa cor dos maltes escuros, que normalmente têm um sabor mais tostado e algumas vezes mais adocicado, que combina bem com os mesmos sabores das comidas bem assadas ou grelhadas.
Quanto mais picante for a comida, mais lupulada e amarga deve ser a cerveja. O lúpulo consegue cortar bem o efeito das pimentas, permitindo que você consiga sentir melhor os sabores tanto do prato quanto da cerveja.
Para acompanhar um prato de carne com molho intenso, por exemplo, deve-se buscar as bebidas mais encorpadas e complexas; se a preparação for rica em gordura, recomenda-se cervejas bastante lupuladas, carbonatadas e com alto teor alcoólico. Já para acompanhar pratos leves e frutos do mar, o ideal é recorrer às cervejas de trigo.
Como acontece com o vinho, a harmonização entre cervejas e pratos originários da mesma região, quase sempre, funcionam muito bem.
Também é importante observar a sequência em que são servidas as cervejas. Se você planeja servir cervejas de diferentes estilos, prefira começar com as mais leves, tanto em sabores quanto em álcool, evoluindo para cervejas mais complexas e encorpadas. O mesmo vale para cervejas secas e doces. Comece pelas secas. O objetivo é que os sabores mais intensos não atrapalhem ou se sobressaiam aos sabores mais leves.

Lembrando, harmonizar é equilibrar forças, complementar, é descobrir novas sensações, percepções...


Cheer!

Fonte de pesquisa: Brejas.com