domingo, 2 de março de 2014

Muito prazer, Pinot Noir...

 
Mais do que qualquer outro vinho, o pinot é descrito em termos sensuais. A associação do pinot noir à sensualidade deriva das texturas notavelmente sutis e sedosas e dos aromas eroticamente terrosos exibidos pelos grandes pinot noirs.
Na boca, os melhores pinots transpiram o calor de cereja cozida, ameixa, terra úmida, cogumelo, cedro, charuto, chocolate, couro gasto, suor e folhas secas.
O pinot noir é menos encorpado e bem menos tânico do que o cabernet sauvignon, o merlot ou o zinfandel.
Também tem cor mais leve, fazendo com que bebedores de vinho iniciantes suponham que os sabores do pinot noir sejam frágeis. Para os grandes vinhos pinots, o contrário é verdadeiro.
De todas as uvas clássicas, a pinot noir é a mais difícil de se transformar em vinho. Muda facilmente no vinhedo (já foram identificados muitos clones), é altamente sensível a mudanças climáticas e a variações na composição do solo, e é instável durante a produção do vinho.

Tudo isso torna a pinot noir uma proposta mais arriscada (e mais cara) para o plantador, para o produtor e para o bebedor de vinhos do que, digamos, a cabernet sauvignon. Mas é precisamente esse jogo enológico que torna a pinot noir mais fascinante e irresistível.